Vita Hábil - Soluções em Reabilitação

Artigo
A+ A-

11/04/2012

Lesões de mão por acidente de trabalho

GANHOS FUNCIONAIS E SUA RELAÇÃO COM OS COMPONENTES DE
FUNÇÃO EM TRABALHADORES COM LESÃO DE MÃO

Este estudo teve como objetivos documentar os ultados da intervenção da Terapia Ocupacional em pacientes com lesões de mão por acidente de trabalho e examinar a relação entre os escores da avaliação funcional Canadian Occupational Performance Measure (COPM) com as variáveis força de preensão e diagnóstico, em três momentos (admissão, alta e followup).
Metodologia: Foi realizado um estudo observacional do tipo longitudinal. A amostra foi constituída de 42 indivíduos encaminhados ao Setor de Terapia ocupacional de um Hospital da rede pública de Belo Horizonte. A instrumentação utilizada consistiu de dinamômetro Jamar para a mensuração da força de preensão, goniômetro de punho e dedos para a amplitude de movimento, monofilamentos de Semmes-Weinstein para a sensibilidade e a avaliação funcional COPM. Resultados: Os parâmetros clínicos (força de preensão, amplitude de movimento, sensibilidade e desempenho funcional) mostraram ganhos importantes após a intervenção. Os escores do COPM inicial dobraram após a Terapia Ocupacional, fornecendo evidência de que os clientes melhoraram e ficaram satisfeitos com seu desempenho funcional. A força de preensão apresentou uma associação de baixa
magnitude com as medidas avaliadas pelo COPM. Outros fatores podem estar associados ao uso funcional da mão, sendo que a força pode não ser suficiente para predizer a função da mão. Não foi detectada diferença entre os diagnósticos encontrados na amostra e os escores do COPM. Conclusão: As relações documentadas neste estudo indicam variáveis relevantes associadas
aos ganhos após intervenção da Terapia Ocupacional e podem contribuir para uma atuação mais direcionada dos profissionais, no que concerne às expectativas do cliente.Este estudo teve como objetivos documentar os ultados da intervenção da Terapia Ocupacional em pacientes com lesões de mão por acidente de trabalho e examinar a relação entre os escores da avaliação funcional Canadian Occupational Performance Measure (COPM) com as variáveis força de preensão e diagnóstico, em três momentos (admissão, alta e followup).
Metodologia: Foi realizado um estudo observacional do tipo longitudinal. A amostra foi constituída de 42 indivíduos encaminhados ao Setor de Terapia ocupacional de um Hospital da rede pública de Belo Horizonte. A instrumentação utilizada consistiu de dinamômetro Jamar para a mensuração da força de preensão, goniômetro de punho e dedos para a amplitude de movimento, monofilamentos de Semmes-Weinstein para a sensibilidade e a avaliação funcional COPM. Resultados: Os parâmetros clínicos (força de preensão, amplitude de movimento, sensibilidade e desempenho funcional) mostraram ganhos importantes após a intervenção. Os escores do COPM inicial dobraram após a Terapia Ocupacional, fornecendo evidência de que os clientes melhoraram e ficaram satisfeitos com seu desempenho funcional. A força de preensão apresentou uma associação de baixa
magnitude com as medidas avaliadas pelo COPM. Outros fatores podem estar associados ao uso funcional da mão, sendo que a força pode não ser suficiente para predizer a função da mão. Não foi detectada diferença entre os diagnósticos encontrados na amostra e os escores do COPM. Conclusão: As relações documentadas neste estudo indicam variáveis relevantes associadas
aos ganhos após intervenção da Terapia Ocupacional e podem contribuir para uma atuação mais direcionada dos profissionais, no que concerne às expectativas do cliente.

Fonte: Rev. bras. fisioter., São Carlos, out/dez 2006.
Autor: FIGUEIREDO, I.M, et al.